Concebido e organizado pelas Aldeias do Xisto/ADXTUR – Agência para o Desenvolvimento Turístico das Aldeias do Xisto, trata-se de uma exposição que nos transporta para o território das Aldeias do Xisto, apontando caminhos para o desenvolvimento rural a partir das relações Craft+Design+Identidade.

O tema explora o potencial da agricultura na evolução do homem, na fixação aos lugares, no desenvolvimento dos artefactos e de toda a cultura rural, material e imaterial, na qual está inscrita grande parte da matriz identitária dos portugueses. Este tema foi escolhido pelo seu potencial Cabradaantropológico, sociológico e económico para interpretar a identidade das comunidades e a sua ligação aos lugares que habitam.

O projeto reúne artífices residentes nas Aldeias do Xisto e uma equipa de designers que em conjunto conceberam as suas peças. A estes juntaram-se nove escolas superiores de designers nacionais que desenvolveram os seus projetos em aldeias representativas da diversidade do território: Serra da Lousã, Serra do Açor, Zêzere e Tejo-Ocreza. O objetivo foi que estas escolas interpretassem a cultura dos lugares e desenvolvessem artefactos representativos dos valores locais.

Neste sentido, o conceito da “Agricultura Lusitana” centra-se na ligação Craft+Design+Identidade, reposicionando os ofícios artísticos, convocando a metodologia projetual do design e refletindo de forma profunda e renovada sobre o imaginário da nossa cultura.

Museu de Arte Popular (Lisboa) entre 23 de março e 20 de dezembro.