Foi a maior da história do capitalismo desde a grande depressão de 1929, tendo começado nos Estados Unidos após o colapso da bolha especulativa no mercado imobiliário, alimentada pela enorme expansão de crédito bancário e potencializada pelo uso de novos instrumentos financeiros. Tendo esta origem, a crise financeira espalhou-se pelo mundo todo em poucos meses, tornando-se numa crise financeira mundial.

A causa desta crise foi a falência do banco de investimento Lehman Brothers, a 15 de setembro de 2008, após a recusa do Federal Reserve em ajudar a instituição. Essa atitude teve um impacto tremendo sobre o estado de confiança dos mercados financeiros, rompendo a convenção dominante de que a autoridade monetária norte-americana iria socorrer todas as instituições financeiras afetadas pelo estouro da bolha especulativa no mercado imobiliário.

A partir de 12 de setembro de 2017, o MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia apresenta uma exposição inovadora que concilia a arte à economia. 22 artistas contemporâneos, dos Estados Unidos e América Latina à Europa e ao Médio Oriente, filmaram visões pessoais sobre os efeitos da grande recessão, a agitação política a ela associada e os aspetos sociais menos óbvios que emergiram desses eventos que estarão agora em exposição na Galeria Principal e na Vídeo Room do MAAT, de 13 de setembro a 19 de março.

A exposição será unicamente em vídeo, uma ferramenta fundamental para os artistas contemporâneos analisarem os impactos socioeconómicos dos acontecimentos do quotidiano. A exposição ‘Tensão & Conflito. Arte em vídeo após 2008’ foca-se precisamente numa excecional seleção de representações artísticas que, com rara eloquência, recorreram ao vídeo para registar os impactos e as consequências da crise financeira global de 2008.