Em alto mar, o navio de Conrado, líder dos corsários, enfrenta uma tempestade. Apesar dos esforços da tripulação, o navio acaba por encalhar na costa de uma ilha grega.

Acto I: Na Praia
Conrado e Birbanto, seu melhor amigo, são encontrados na praia por um grupo de jovens, lideradas por Medora e a sua melhor amiga, Guilnara. Os corsários contam sobre as suas aventuras e como foram parar àquele lugar. Durante o relato, Medora e Conrado apaixonam-se, bem como, Birbanto e Guilnara.
As jovens são surpreendidas pelas vendedoras de escravos que as capturam e levam para serem vendidas no Bazar. Os corsários ficam à espreita e seguem os seus passos para as tentar resgatar.

Acto II: No Mercado de Escravos
No mercado de escravos, um rico Paxá de nome Seid está a procura de belas mulheres para o seu harém. As vendedoras mostram-lhe todas as mulheres que capturaram nas suas viagens, mas nenhuma lhe interessa, até ao momento em que Guilnara é apresentada. O Paxá fica encantado com Guilnara, oferecendo por ela uma avultada quantia. Mas o grande trunfo das mercadoras havia sido guardado para o final: a bela Medora. Imediatamente, o Paxá faz a sua oferta, mas, logo de seguida, um viajante desconhecido oferece uma soma mais alta e consegue ganhar a disputa pela jovem. O desconhecido revela ser Conrado e causa um grande alvoroço. Os Corsários prendem as vendedoras de escravos e levam-nas para a praia, juntamente com Medora, Guilnara e as suas amigas. O grupo refugia-se numa gruta onde os corsários guardam também os seus tesouros.

Acto III: Na Gruta
No auge das celebrações, Conrado e Medora declaram o seu amor.
Uma das jovens pede a Medora para interceder junto de Conrado, no sentido de que todas as jovens sejam libertas. Conrado cumpre a vontade de Medora, causando revolta em Birbanto, que firma um acordo com as vendedoras de escravos: em troca da sua liberdade e de Guilnara, ele ensinará as vendedoras a preparar uma poção, que, quando colocada em flores, fará adormecer aquele que as cheirar. Guilnara, alia-se a Birbanto, traindo a confiança de Medora, e oferece-se para lhe levar a rosa envenenada.
Conrado e Medora entram em cena e ficam felizes por poderem finalmente estar a sós. Esta presenteia o seu amado com uma rosa que lhe havia sido dada pela amiga Guilnara. Ao sentir o perfume, Conrado adormece e Medora é novamente capturada pelas vendedoras de escravos; Guilnara segue com a amiga como se tivesse, também ela, sido capturada. As jovens da gruta aparecem e despertam Conrado, para que este possa resgatar Medora e Guilnara.

Acto IV: No Harém do Paxá Seid
No harém do Paxá Seid, festejam-se as compras feitas no Bazar. As vendedoras de escravas aparecem e trazem consigo Guilnara e Medora. Apesar de estar triste, Medora anima-se com a companhia de Guilnara. Juntamente com as mulheres do harém, vão para um jardim repleto de flores, para celebrar a harmonia, beleza e a graça.
O Paxá é alertado sobre a chegada de misteriosos peregrinos, o que coincide com a oração da tarde. Na realidade, os peregrinos são Birbanto e Conrado disfarçados. A sua identidade é revelada e estes conseguem resgatar Medora e Guilnara. Quando Medora se apercebe da presença de Birbanto, conta a Conrado como este o traiu. Birbanto, num acto de desespero, desmascara Guilnara contando que foi ela quem lhe deu a rosa. Revoltados com a traição, Conrado e Medora partem em busca de novas aventuras, abandonando Guilnara e Birbanto à sua sorte.