9_noivoporacaso_TSB2016_cartazA4-INTERNETAF_12mar16-01-850x1202

Vítor Moreira (Fernando Mendes) é um empreiteiro que é chamado para fazer um orçamento para uma obra de remodelação de uma empresa. Acontece que essa empresa não é uma empresa qualquer. Trata-se de uma agência matrimonial, facto que Vítor Moreira não sabia. E não só não sabia que era uma agência matrimonial, como também não sabia o que era uma agência matrimonial.
O que supostamente seria um dia de trabalho normal, rapidamente se transformou no dia mais longo da vida de Vítor (e não só). Isto porque no dia e na hora em que Vítor vai fazer o orçamento, o dono da agência matrimonial está à espera de um cliente milionário (um português que é banqueiro em Nova Iorque), que por sua vez também está à espera de sair daquela agência já noivo, nesse mesmo dia.
Vítor é confundido com o banqueiro e, por força das circunstâncias, terá de se fazer passar por ele junto do grupo de candidatas que o dono da agência já selecionou para o banqueiro escolher para sua futura mulher. Isto porque o dono da agência o alicia com uma boa quantia de dinheiro, proveniente das inscrições das candidatas.
Ora, Vítor, como bom empreiteiro à portuguesa, adora dinheiro fácil, está disposto a tudo para não deixar escapar esta oportunidade. Acontece é que, com o passar do tempo, o dinheiro que parecia fácil, parece cada vez mais difícil. Isto porque as candidatas têm cada uma delas características e traços de personalidade muito próprios e vincados, e farão destas pequenas entrevistas um inferno para Vítor, que ainda para mais é casado e terá de esconder da sua ciumenta e possessiva mulher o que se está a passar, para estar a demorar tanto.
E o plano que tinha tudo para acabar bem, vai complicando a cada minuto que passa, fazendo com que Vítor e o próprio dono da agência já se questionam se esta pequena/grande burla foi boa ideia.
O problema é que depois de darem início à golpada, voltar para trás seria a pior opção. Assim, há que seguir em frente, mesmo que o caminho se aparente tortuoso. E sê-lo-á, com toda a certeza. A questão é: o crime compensa? E se compensar, a quem compensará? É uma questão de ir ver…

Texto: Frederico Pombares, Henrique Dias e Roberto Pereira
Encenação: Henrique Dias
Com: Fernando Mendes, Carla Andrino, Jorge Mourato e Patricia Tavares
Figurinos: Dino Alves
Desenho de luz: Paulo Sabino
Cenário: Rui Filipe Lopes
Assistente de encenação: Anaísa Raquel
Assistente de produção: Leonel Moteiro
Produção: Paulo Martins