“Num conto de fadas. Da cabeça aos pés” é o tema que dá o mote para as histórias de sucesso que serão apresentadas ao longo deste ano, em S. João da Madeira. Uma parceria entre o Museu do Calçado e o Museu da Chapelaria, que leva à cidade sanjoanense histórias reais de designers internacionais, cujo talento, empenho e empreendedorismo projetaram as suas criações além fronteiras.

Depois dos sapatos de Anastasia Radevich terem calçado a iniciativa, no passado mês de abril, chegou a vez dos chapéus assumirem o protagonismo. O Museu da Chapelaria recebe a primeira exposição da iniciativa “Num conto de fadas. Da cabeça aos pés”, intitulada “Tocados por Pablo y Mayaya”, que vai viajar no tempo para conhecer e honrar o percurso de uma das mais importante marcas da indústria chapeleira, “Pablo y Mayaya”.

Pablo Merino e Mayaya Cebrián são dois dos principais designers espanhóis da atualidade, conhecidos por adornarem algumas das “cabeças” mais importantes de Espanha, como é o caso da rainha Letizia e da restante Casa Real Espanhola. Também colaboram regularmente com vários estilistas, como Andrés Sardá, Roberto Torreta, Pedro Morago, Mireya Ruiz y Ángel Schelesser, durante as Semanas da Moda de Madrid e de Barcelona. O seu prestígio indiscutível ultrapassa fronteiras e a marca exporta chapéus e toucados para vários países, como Portugal, Angola, França, Itália, Alemanha, Bélgica, Grã-Bretanha, Japão e até para o Brasil.

Pablo e Mayaya deram os primeiros passos na indústria chapeleira nos anos noventa, quando abriram o primeiro atelier de alta-costura, em Valladolid. Desde então, percorreram um caminho singular, que os fez vencer o Prémio Nacional de Artesanato, em 2009, pela experimentação, recorrendo a novos materiais e textura, e o troféu “Dedal de Oro”, em 2015, atribuído apenas aos estilistas mais importantes de Espanha. A capacidade de se adaptarem aos tempos modernos, através de diferentes técnicas e conhecimentos, permitiu-lhes construir um percurso sólido numa indústria cada vez menos valorizada. Resultou assim, a criação de um negócio totalmente dedicado à produção de chapéus de modo artesanal e personalizado, associado a um rigoroso sistema de controlo de qualidade e sistema de distribuição tipo industrial. Hoje, depois de mais de duas décadas dedicadas inteiramente à chapelaria, os artistas sonham em alargar horizontes, apostando noutras áreas criativas, como o calçado e a perfumaria.

EXPOSIÇÃO “TOCADOS POR PABLO E MAYAYA”

Até 30 de Setembro

Museu da Chapelaria

Terça-feira a sexta-feira: 09h00 – 12h30 |14h00 – 18h00

Sábado: 10h00 – 13h00 | 14h00 – 18h00

Domingos e Feriados: 10h30 – 12h30 |14h30 – 18h00

Segunda-feira: Encerrado