image001

Depois de vários meses de trabalho, chega o dia de estreia! É já na sexta-feira, dia 18 de Novembro que “MAR”, o grande clássico do notável autor português Miguel Torga regressa aos palcos nacionais numa encenação de Frederico Corado com produção da Área de Serviço no Centro Cultural do Cartaxo.

“Mar”, uma história de pescadores numa aldeia piscatória de Portugal, num texto extraordinário desse grande poeta que é Miguel Torga, é a 17ª produção da Área de Serviço depois de “Um Marido Ideal”, “O Crime De Aldeia Velha”, “As Alegres Comadres De Windsor”, “Nápoles Milionária”, “Pânico”, “Trisavó De Pistola À Cinta”, “O Inspector Geral”, “8 Mulheres”, “O Dinheiro Não é Tudo na Vida”, “Pouco Barulho”, “Autópsia de Um Crime”, ou “A Princesa de Galochas”.

“Mar” encenado por Frederico Corado, que encenou também as anteriores produções da Área de Serviço no Centro Cultural do Cartaxo, é uma história de pescadores que lutam diariamente pela sua subsistência contra um mar que lhe dá a sobrevivência mas lhe tira a vida.

Esta produção da Área de Serviço reúne o elenco fixo da companhia, assim como um elenco composto por pessoas do concelho do Cartaxo e arredores selecionadas numa audição no espirito já bem enraizado em algumas das nossas produções do chamado “teatro comunitário”, bem como vontades e a colaboração de empresas, lojistas e particulares do Concelho e é o regresso do teatro comunitário que desde “O Escândalo nas Notícias da Noite” não subia ao palco do CCC.

Quando conhecemos o Domingos, reconhecemos de imediato nele a marca de alguém que é diferente, que transporta em si todas as esperanças daqueles homens de quem Torga diz que “é o mar que os cria é o mar que os leva”. Com Domingos, sentimos que pode ser diferente. E, no entanto, ele é apenas mais um pescador dos que se reúnem na taberna a contar histórias do mar e da vida. Só que Domingos conta histórias diferentes, de sereias e marinheiros que, enfeitiçados pelo seu canto, partiram para não mais voltar. Mas para que quer Domingos saber de sereias e feitiços, se o prende à terra o amor para sempre de Rita? Com casamento marcado para quando regressar de campanha na Terra Nova, Domingos faz-se uma vez mais ao mar. Será a lenda mais forte do que o amor?

Ao longo da História do Teatro Português, o “Mar” teve duas produções absolutamente históricas. Em 1958, com estreia no Teatro Sá da Bandeira, no Porto, a 29 de Abril foi apresentado pelo Teatro Experimental do Porto, numa encenação e arranjo cénico de António Pedro com Dalila Rocha, Alda Rodrigues, Fernanda Gonçalves, Cândida Lacerda, Cândida Maria, João Guedes, Baptista Fernandes, José Pina, Madalena Braga, Ruy Furtado e Vasco de Lima Couto. Anos mais tarde, em 1966, a 5 de Maio, estreava no Teatro Gil Vicente pelo Teatro Experimental de Cascais numa encenação de Carlos Avilez com Luísa Neto, António Feio, na sua estreia no teatro com apenas onze anos, Zita Duarte, Fernanda Coimbra, Mirita Casimiro, Filipe La Féria, Rui Anjos, Manuel Cavaco, Santos Manuel, Serge Farkas, João Vasco, Glicínia Quartin, João Coimbra e Marília Costa.

Sessões: ESTREIA A 18 de NOVEMBRO – às 21.30h

Dias 19 e 28 de Novembro às 21.30 h

Dias 20 e 27 de Novembro às 16.00h