O britânico Jack Broadbent é o primeiro músico internacional a pisar o palco do Centro Cultural e Congressos das Caldas da Rainha. A atuação está marcada para o dia 26 de outubro, no âmbito do Caldas Nice Jazz que decorre até dia 1 de dezembro.

Filho de pai músico, Jack Broadbent cresceu a ouvir o som de grandes guitarristas como John Lee Hooker ou Jimi Hendrix. Influências que fazem deste músico “o novo mestre da slide guitar”, como foi aclamado pelo festival de jazz de Montreux, ou “the real thing” pelo lendário Bootsy Collins.

O festival prossegue até 1 de dezembro com as atuações de Hailey Tuck (dia 27), Club des Belugas com Brenda Boykin (28), Patrícia Lopes (29), Aaron Goldberg Trio (2 de novembro), Jacqui Naylor e Art Khu (3), Sarah McKenzie (4) e os portugueses Afonso Pais e Rita Maria (5).

O encerramento deste festival está entregue a uma das grandes senhoras do jazz mundial. Nove anos após a última atuação em Portugal, a norte-americana Patricia Barber está de regresso para atuar dia 1 de dezembro nas Caldas da Rainha. Uma oportunidade que dificilmente vai querer perder.

Este ano, o festival não se fica só pelas Caldas da Rainha, a cidade do jazz. Os doze concertos gratuitos, inseridos na iniciativa Jazz pela Cidade, estendem-se também a Óbidos, no dia 24 de outubro.