Edp Beach Party (30/junho e 1/julho – Matosinhos)
Já tem dez edições consecutivas e traz este ano um dos maiores nomes, Hardwell. Foi o primeiro evento do género que agregou o airplay de uma rádio (Nova Era) e o naming sponsor de uma marca em Portugal, tendo conseguido renovar-se e crescido em cada edição.

Rfm Somnii (7-9 julho, Figueira da Foz)
O que mais buzz tem criado ao longo dos últimos anos. Não bastou conseguir importar uma marca e um conceito internacional. Ter um grupo de rádio das mais ouvidas no país a comunicar, um forte apoio municipal e os maiores artistas internacionais da Electronic Dance Music (sempre com alguém do Top10), também contribuíram para o seu crescimento e posicionamento como festival de referência, ano após ano.

Monte Verde Festival (10-13/agosto – Ribeira Grande, Açores)
Um dos festivais que mais se tem profissionalizado nos últimos anos e que traz no seu line-up artistas de diversos estilos (e.g. rock, pop, reggae, hip-hop, eletrónica) com o intuito de agradar à comunidade dos Açores e também dos turistas que, proporcionalmente às edições do festival, têm crescido na ilha de São Miguel, de ano para ano, fruto do acesso low cost nas viagens de avião.

Maré de Agosto (18-20/agosto – Praia da Formosa, Santa Maria, Açores)
Um dos festivais com mais edições consecutivas em Portugal. Se inicialmente era um encontro dos artistas musicais da ilha, hoje privilegia as sonoridades do mundo e a mistura de artistas consagrados e a busca de novos talentos.

The Bpm Festival (14-17/setembro – Praia da Rocha, Portimão)
A importação de um conceito internacional e o apoio na produção de quem por cá já realiza festivais são a fórmula certa para um festival que mais do que os seus artistas presentes, se apresenta como um movimento diferenciador e que tem um conjunto de seguidores alargado e que já esgotou a primeira fase de compra dos seus bilhetes.