“Abraçar e Agradecer” é o espectáculo que Maria Bethânia traz a Portugal no próximo mês de Maio. Dia 24 a cantora brasileira actuará no Coliseu do Porto. O concerto insere-se no âmbito da comemoração dos 50 anos de carreira da artista, que se estreou em 1965, no Teatro Opinião, em Copacabana. Há 50 anos, com a companhia de Zé Keti e João do Vale em palco, Maria Bethânia marcaria para sempre o cenário musical brasileiro. A sua voz, presença, criação e amor, atravessaram meio século e conquistaram para sempre um lugar como uma das maiores e mais produtivas intérpretes brasileiras. O espectáculo “Abraçar e Agradecer”, que comemora este longo percurso de Maria Bethânia, conta com a direcção e cenografia de Bia Lessa, directora dos seus últimos espectáculos “Carta de Amor”, “Amor Festa” e “Devoção e Dentro do Mar tem Rio”. O desenho de luz é assinado por Binho Schaefer e a coordenação e produção musical é de Guto Graça Mello, produtor responsável por álbuns marcantes da carreira da artista como “Ciclo” (1983) e “As Canções que você fez pra mim” (1993). A tournée, que estreou no Rio de Janeiro, no passado mês de Janeiro, está neste momento em digressão pelo país e chegará a Portugal em Maio. A banda que a acompanha conta com Jorge Helder (maestro e contrabaixo), João Carlos Coutinho (piano e acordeão), Paulo Dafilim (violas e violão), Pedro Franco (violão, bandolim e guitarra), Marcio Mallard (violoncelo), Pantico Rocha (bateria) e Marcelo Costa (percussão). Maria Bethânia irá cantar músicas de todos os tempos e outras, compostas especialmente para ela nesta comemoração dos seus 50 anos de carreira por Paulo Cesar Pinheiro, Dori Caymmi e Chico Cesar, serão apresentadas pela primeira vez. A artista narrará textos de Wally Salomão, Clarice Lispector e Carmem Oliveira, além de apresentar compositores novos e uma versão inédita feita especialmente para ela por Nelson Motta. Não ficarão de fora músicas do repertório do seu último disco “Meus Quintais”, como “Dindi” (Tom Jobim e Aloysio de Oliveira), “Xavante” (Chico César), “Casa de Caboclo” (Paulo Dafilim e Roque Ferreira) e “Uma Iara” (Adriana Calcanhotto e Cid Gomes), além de canções inesquecíveis de compositores que marcaram a sua carreira como Caetano Veloso, Chico Buarque, Caymmi, Gonzaguinha, Roque Ferreira e Paulo César Pinheiro. Se 2014 foi um ano prodigioso, em que lançou o álbum “Meus Quintais” e o documentário “(O vento lá fora)”, com leituras de poemas de Fernando Pessoa ao lado da professora Cleonice Berardinelli, o ano de 2015 promete. Além de comemorar os seus 50 anos de carreira com esta digressão, Maria Bethânia será homenageada com o Prémio da Música Brasileira no dia 10 de Junho, no Theatro Municipal do Rio, com direcção de José Maurício Machline, e lançará o livro da leitura “Bethânia e as Palavras” pela UFMG.

b_bethania-big