“Caixa Forte” é um espetáculo com Fernando Mendes, Carla Andrino, Cristina Areia e Frederico Amaral.

Fernando Mendes é Rogério, um segurança de um banco, que numa sexta-feira se prepara para um dia normal de trabalho ao acompanhar um casal de clientes ao interior da caixa forte.

Minutos depois de entrarem, a porta da caixa forte fecha-se automaticamente, deixando o segurança e o casal de clientes encurralados no seu interior.

Assim, um segurança bonacheirão, uma rica arrogante e o seu jovem e maltratado marido vão ter de aprender a conviver juntos e arranjar um plano que lhes permita sobreviver até segunda-feira, altura em que a porta se voltará a abrir.

Dentro da caixa forte os telemóveis não funcionam, não há maneira de contactar com o exterior, só há uma garrafa de água e – o mais grave, na opinião de Rogério – não há chanfana.

Durante uma hora e meia, os três vão conhecer-se, odiar-se, discutir o canibalismo, confessar os seus pecados, arranjar maneira de ultrapassar o facto de não haver uma casa de banho, ouvir Jorge Fernando e… sobreviver. Sobreviver à clausura e, mais difícil, sobreviver às conversas e teorias do segurança.

A autoria é de Frederico Pombares, Henrique Dias e Roberto Pereira. A encenação está a cargo de Henrique Dias.